sábado, 13 de junho de 2009

Há palavras que nos beijam...

Há uns dias estava de conversa com uma amiga e perguntei-lhe se ela achava que sabia os dois géneros de música que eu mais gostava. Ora, ela toda "esperta" (adoro este termo) dispara que obviamente que um deles é reggae... Ora isso tem tanto de mérito como alguém dizer que neste momento a selecção não está na rota do mundial 2010. Só não sabe quem não está atento... Tirando o amor que tenho pela música reggae, há um estilo musical que amo de coração, que me enche a alma, o coração... e que acima de tudo me traz paz nas alturas que mais preciso: O fado! pois é meus amigos... eu adoro fado! Quando era mais pequeno tinha uma certa vergonha de o admitir aos meus amigos... Ah, mas agora não... agora é tipo orgulho nacional! Gosto de fado, e o fado é lindo! llooll!
Bem, agora mais a sério... estava agora a ouvir uma música de uma fadista que dispensa apresentações, a Mariza. Há uma música que ela canta, no cd que gravou em Belém (lindo, por sinal) que se chama "Há palavras que nos beijam". Um poema de Alexandre O'Neill (não, não é o senhor das pranchas de surf nem dos ténis para andar de skates). atentem neste poema e vejam se não se lembram de ouvir a doce Mariza a interpretar... Lindo de morrer...
Há palavras que nos beijam.
"Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.
Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.
De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor
O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado
Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte."

2 comentários:

  1. Sou fã da mais recente remodellação do fado da mariza... Mariza ft Boss ac, uma combinação que á primeira vista parece que não tem nada a ver, deu um resultado final de ouvir e chorar por mais:

    "Chorei
    Mas não sei se alguém me ouviu
    Enão sei se quem me viu
    Sabe a dor que em mim carrego e a angústia que se esconde
    Vou ser forte e vou-me erguer
    E ter coragem de querer
    Não ceder, nem desistir eu prometo

    Busquei
    Nas palavras o conforto
    Dancei no silêncio morto
    E o escuro revelou que em mim a Luz se esconde
    Vou ser forte e vou-me erguer
    E ter coragem de querer
    Não ceder, nem desistir eu prometo."

    ResponderEliminar
  2. Ahhhhh...
    Essa amiga k ai citas sou eu nao???Lembro-me perfeitamente dessa conversa..
    Pois é n foi assim 1 grande revelação, uma x que qualquer pessoa que conviva ctg 5 min percebe essa tua paixao...Mas va gosto do "ela toda esperta"..
    Pelo fado eu de facto n sabia, mas confesso que adoro a Mariza...

    BeijOoooOoo

    (Ainda n consegui comentar o outro, falta-me a coragem, pk axo k qd comentar se torna msm verdade que acabou, mas hei-de comentar)

    ResponderEliminar